inside header

Se a sua vida ou a de alguém que conhece foi tocada pela dor do aborto,

Vinha de Raquel

Um caminho para recuperar a paz interior

Testemunhos de Participantes


Durante o retiro percorri os últimos 25 anos da minha vida. Tive a oportunidade de reviver uma fase difícil e muito dolorosa que escondi por vergonha. Estava ansiosa para poder falar sobre esta dor vivida e sentida em silêncio e em solidão. Contar a minha história foi difícil mas aliviou-me e constituiu uma forma de romper as correntes que me aprisionaram durante estes anos todos.

Testemunho anónimo

Vivi intensamente todos os momentos. Todos fazem sentido e são consequentes. As orações em conjunto e os testemunhos foram muito importantes. Senti particularmente quando tomei a pedra, quando deitei no cálice da amargura todo o meu sofrimento. Um momento importante de tomada de consciência foi durante a primeira noite de adoração. E também a luz que recebi para dar um nome ao filho abortado.

Testemunho anónimo

O Retiro foi libertador! Foi uma oportunidade de me reencontrar com Deus, com o Seu amor, perdão e compaixão. Pude pedir perdão ao meu filho e sentir que ele me perdoou e que está no céu junto de Deus.

Testemunho anónimo

Os momentos mais significativos foram a adoração durante a noite, dar um nome ao meu filho e sentir que ele está bem junto de Jesus e do Pai do céu.

Testemunho anónimo

Vim fazer este retiro para acompanhar a minha esposa e fortalecer a nossa unidade. Acabei por me reencontrar com Deus de quem estava um pouco afastado. Recuperei a paz e a tranquilidade ao sentir a presença de Deus.

Testemunho anónimo

Todas as dinâmicas estão muito bem orientadas para que as pessoas que participam possam sentir-se confortáveis e reconciliar-se com a sua experiência. Eu retomei o caminho de reconciliação interior. Foi muito importante dar um nome ao meu bebé abortado.

Testemunho anónimo

O retiro foi um tempo de tomada de consciência e de crescimento na confirmação de que Deus é amor. Foi uma oportunidade para receber o sacramento do perdão e ouvir testemunhos de pessoas que passaram pelo mesmo. Foi também uma oportunidade para rezar e aproximar-me mais de Deus. O mais importante foi a confiança, a certeza que Deus nos quer curar.

Testemunho anónimo

Neste retiro pude reconciliar-me com a minha namorada e comigo próprio. Fiz o luto pelo meu filho e cresci muito na consciência de quão importante é a vida.

Testemunho anónimo

História de uma mãe que fez um aborto aos 30 anos e passado algum tempo encontrou a paz no oração de Jesus Cristo:

A história que aqui vos deixo é sobre uma menina linda e fantástica que só vou conhecer quando chegar ao Céu: é a história da minha filha Maria….

Esta história poderia ser muito bonita e cheia de tudo o que a chegada de um bebé traz: a alegria, a preparação do quarto, as compras das primeiras roupinhas… mas não é a história da minha filha que eu decidi não deixar nascer, ou antes que decidi abortar.

Tudo começou quando me apaixonei pela pessoa errada, num momento em que me encontrava fragilizada. Ao passar de uns tempos, comecei a estranhar o período menstrual não vir. Então resolvi ir comprar e fazer um teste de gravidez… o resultado desse teste foi negativo e fiquei super aliviada, como podem imaginar. Mas nesse dia à noite fui ter com o meu namorado e em conversa acordámos fazer outro teste só para tirar as dúvidas…. Então fomos para um descampado, longe de tudo… o resultado do teste desta vez foi… positivo… o meu namorado ao ver tal coisa enche-se de raiva e eu só tive tempo de sair do carro e correr pela minha vida, pois sei que seria brutalmente espancada.

Depois contei à minha mãe que prontamente me apoiou e fomos ao médico. O meu namorado nessa altura já tinha vindo pedir mil desculpas e acompanhou-me em todo o processo. Fomos ao médico ginecologista e o veredicto foi o mesmo: estava grávida… No meio de todo este turbilhão de emoções, havia um factor que poderia ser determinante para o desenvolvimento do bebé: eu tinha feito (já grávida, mas sem o saber) um antibiótico super forte para uma otite que tive… o presságio do médico não foi bom e disse para pensarmos muito bem.

Os dias foram passando e uma decisão tinha de ser tomada… na altura tinha 30 anos e apesar de trabalhar a part-time estava ainda a terminar o curso universitário…

Com a lei que existe em Portugal, eu tinha de tomar uma decisão… a minha decisão foi abortar, não ter o meu bebé.

Depois foram as idas ao hospital para que todo o processo pudesse decorrer… e eis que é chegado o dia em que me dão 2 comprimidos para colocar na vagina e mandam-me para casa. Há hora marcada pelos médicos, introduzi os comprimidos e passado 15 minutos comecei com hemorragias e dores… O resto, o sofrimento da expulsão não me lembro muito bem… sei que tive dores horríveis, que a minha mãe nunca me deixou (e segundo ela que várias vezes estive mesmo muito mal), mas o resto Deus na Sua Bondade não permitiu que eu me lembrasse…

Esta não é a parte pior… o pior ainda estava para vir… a culpa, a solidão, a dor de ter morto alguém, a desilusão comigo própria, o vazio…

Durante alguns meses vivi tudo isto no silêncio da dor, pois esta é dilacerante…

Resolvi passado algum tempo ir-me confessar, pois não conseguia viver mais com este peso… O padre que acolheu e confessou foi Cristo presente com a sua Ternura e o seu Amor. A partir daqui comecei a fazer um caminho com passos de bebés…

Decidi ir ter com um padre meu amigo e voltei a contar a história toda… ele disse-me com uma ternura: “Tu és mãe! Agora diz-me que nome tem o teu filho ou filha”…. Eu fiquei estupefacta… jamais tinha pensado desta forma…. Veio-me ao coração que seria mãe de uma menina e que o nome que ela teria (e tem) só poderia ser um: Maria! Esta conversa foi também uma segunda confissão e como penitência, este padre disse-me: “escreve uma carta à tua filha a pedir-lhe perdão, escreve toda a dor e tudo o que tens no teu coração”! Essa carta demorou 1 ano a ser escrita, pois não tinha coragem…

Então comecei de novo o meu caminho de fé, mas ainda com o peso de que a Maria não me tinha perdoado…. Numa celebração estavam a administrar o sacramento da unção dos doentes… Fui receber o Sacramento da Santa Unção e fiz um acto de Fé.... A verdade é que só queria entregar tudo novamente ao Senhor... Fiquei tranquila pois tinha dado tudo mais uma vez. Quando cheguei a casa e fui ver aos mails, etc... fui ao facebook e eis que no meu mural, publicada pelo blog Toques de Deus, aparece a imagem que anexo com a seguinte legenda: "Inaugurada recentemente na Eslováquia, a obra do escultor Ivan Uhliarik expressa de uma forma admirável o drama da mãe visitado pelo perdão e pela bênção do filho que não chegou a nascer".... Fiquei "petrificada".... mas o meu coração sentiu uma verdadeira alegria! Senti-me completamente "visitada" pela situação, e em particular pela Maria. Deus é verdadeiramente bom!!!

A partir desse momento, tive a certeza que tenho uma filha no Céu que reza por mim!

Passado algum propuseram-me fazer o retiro “Vinha de Raquel”… A minha mãe foi comigo! O trabalho que o Senhor fez foi fantástico!

Dou graças a Deus por tudo!

Agora para ti que provavelmente vives uma dor dilacerante… a ajuda existe, Deus quer amar-te… não te feches em ti própria e arrisca, procura ajuda!

Testemunho anónimo | Maria

Para uma mulher que sinta necessidade de perdoar-se a si própria por ter feito um aborto, este retiro é um presente maravilhoso que pode dar a si mesma. Há oportunidade de sentir a tristeza, o pesar e a vergonha juntamente com os outros homens e mulheres que passaram pelo mesmo. Vai ser capaz de transformar esta dor em esperança com a ajuda carinhosa de conselheiros que lhe prestam apoio. Não é forçada, a fazer o que quer que seja, mas é-lhe dado tempo para refletir e abrir-se, gradualmente, ao processo de cura.

Testemunho anónimo

Durante 18 anos, fui perseguida por uma enorme culpa que ninguém conseguiu aliviar, atormentada por pensamentos de como é que aquela criança poderia ter sido. Através da minha participação na "Vinha de Raquel", consegui finalmente perdoar-me a mim mesma. Sei que Deus pacificou a minha mente, purificou o meu coração e lavou a minha culpa.

Testemunho anónimo

A Vinha de Raquel, deu-me a oportunidade de dignificar os meus filhos, dar-lhes um nome, chorar a minha perda... finalmente pude falar abertamente da minha culpa num ambiente repleto de amor.

Testemunho anónimo